quinta-feira, 20 de abril de 2017

HQH AJUDA-ME: (Nr 6)

Bom dia amigos desta página. Sou uma jovem de 31 anos de idade e namoro com um moço de 34 já ha quatro meses. São dois os aspectos que me incomodam e gostaria que me ajudassem. Primeiro: ele não é circuncidado e isso não me deixa à vontade com ele. Ele trata-me tão bem e faz tudo sem restrição no que tange à intimidade. Infelizmente, não faço o mesmo. Já lhe perguntei se incomodava-se com a prática "circuncisão" e ele respondeu que não tinha nada contra mas que também não via diferença. Eu não sei se fiz mal mas manifestei a vontade dele o fazer. Segundo: Ele quer fazer amor todos os dias e isso também não me deixa bem .Procuro fazer perceber que não consigo estar disposta a isso todos os dias. Fico sem vontade e quando tranzamos ele demora tanto mas tanto tempo a atingir e chega a me doer. Amo muito meu namorado mas esses aspectos incomodam-me . Agradeço os vossos conselhos.

Gilberto Macuacua

Programa Homem que e Homem

quarta-feira, 19 de abril de 2017

HQH REFLEXÃO:

O problema é que quando se conhecem só focam a vossa relação no sexo e só quando ja vivem juntos, é que começam querer traçar regras de um para outro. É no momento que começam a se conhecer. Isso nunca vai dar certo.

Por: Gilberto Macuacua

terça-feira, 18 de abril de 2017

HQH AJUDA-ME: (Nr.5)

Bom dia a todos. Desculpem-me, estou sem chão. Sou uma mulher de 31 anos de idade.  Casada ha 4 quatro anos. Estou sendo mandanda embora de casa porque nao faço filhos. Gostaria  de saber o que faço para nao perder meus direitos. Meu "marido" e a familia dele, decidiram mandar-me embora porque nos 4 anos de casamentos, eles nao conseguem ver os frutos. Quando me casei eu trabalhava, mas ele exigiu que eu deixasse de trabalhar para cuidar da casa. Obrigada.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

HQH AJUDA-ME: (Nr.4)

Bom dia Gilberto e amigos da página HQH. Sou casado há mais de 20 anos. Meu filho de 19 anos de idade abriu-se comigo na semana passada sobre uma infecção de Transmissao Sexual que ele contraiu por ai e pediu-me ajuda no sentido de tratarmos do assunto na clinica mas que tambem, fosse um assunto de apenas de nós os dois. Ele nao queria que a mae soubesse para evitar julgamentos e barulhos. Eu no mesmo dia, decidi falar com minha esposa por entender que nao devo ter segredos com ela sobretudo quando se trata do nosso filho. Infelizmente, Ela não se conteve e chamou o miudo para uma sentada e barulho a mistura. Justamente aquilo que o miudo queria evitar. Ele saiu de casa, ligou-me dizendo que o traí, que ele vai tratar do assunto a sua maneira e que jamais confiará em mim.  Eu ja nao sei o que fazer. Por um lado, sinto-me culpado por isso, provavelmente se tivesse mantido o segredo nao teria chegado a esse nivel. Gilberto, estou preocupado, o miudo é meu filho único e não sei do seu paradeiro. Por favor, ajuda-me. Será que deveria ter escondido este assunto da minha esposa?

quinta-feira, 13 de abril de 2017

HQH AJUDA-ME: (Nr 3)

Bom dia Gilberto Macuacua e todos amigos da página HQH.
Estou numa situação que gostaria de ter as vossas opiniões. Um vizinho do bairro tem estado a paquerar minha esposa e ela tem me falado sempre disso e aliais, ela me fala de todos casos de homens que a paqueram. Eu nao falei nada com ele até porque, confio na minha esposa e que tenho absoluta certeza de que ela nao o vai aceitar, ela é muito fiel a mim. O que me preocupa agora é que, a esposa do tal fulano anda a dar em cima de mim. Manda-me mensagens que explicitam o sexo. Ela ja chegou a dizer-me isto: "se um dia te pego, vais terminar na lua" Por vezes passa-me pela cabeça andar com ela um pouco só para vingar-me daquele fulano e ainda dar a conhecer a ele da relaçao consumada com a esposa dele. Só para lhe dar uma lição de vida. Pior, ele tem uma esposa bonita e ainda anda a procura de estragar lares das outras. Nao sei se ela sabe que ele tem estado a paquerar minha esposa. Nunca falei com ela sobre isso. Peço as vossas opinioes construtivas. O que faço?

quarta-feira, 12 de abril de 2017

HQH AJUDA-ME (Nr. 2)


Bom dia Homem que é Homem. Tenho 28 anos de idade e meu marido 31. Estamos juntos ha 6 anos. No domingo, fui visita meus pais e quando voltei, encontrei o meu marido no carro com uma moça a namorarem. Eu conheço a moça até mesmo a casa dela. Eu ja vinha desconfiando deles e sempre que perguntei, ele desmentiu e desta vez, mesmo depois do flagrante ainda me disse que é dama do amigo. A nossa relação ja nao está boa ha algum tempo, ele não pára em casa, isso deixa-me frustrada. Enfim, peço a vossa a ajuda. O que faço?

terça-feira, 11 de abril de 2017

HQH AJUDA-ME (Nr. 1)

Bom dia Gilberto e todos amigos da página HQH.
Por via desta página que tem merecido muita audiência dos leitores utentes do Facebook, venho pela primeira vez solicitar de forma honesta e séria o apoio dos leitores desta página onde várias ideias e opiniões se cruzam.




• Embora que alguns comentam com mediocridade mas reconheço muitos que deixam suas ideias com maior seriedade e responsabilidade.


• Estou divorciado com a mãe da minha filha de apenas um ano, razões de sussecidos maus tratos e atitude cruel, não quero entrar em detalhes porque é um comportamento que me deixou traumatizado pelo qual hoje quando assisto as actuais notícias de queima maridos com recurso a óleo de cozinha ou por outra forma, sempre digo que se não tivesse a coragem de abandonar a senhora seria uma das vítimas.



• Indo para o assunto pela qual peço o vosso apoio, estou cada vez mais agastado com o comportamento da minha divorciada que não quer que eu leve minha filha para passear por algumas horas tanto final de semana assim como em dias normais.

• Desde que a criança nasceu nunca tomou leite materno e não conheço as reais causas, apenas comunicou-me que não iria amamentar a criança eu tinha que fazer tudo para comprar leite CERELAC da criança. Tudo bem até aqui não vejo nenhum problema de eu adquirir comida e roupa para minha filha embora com muito sacrifício.

• O problema é quando a mãe da minha filha proíbe-me de passear com a criança ou levar para minha casa e muitas vezes dificulta-me as visitas, no passado 7 de Abril reconhecendo que a mãe da minha filha não perderia o dia por causa da criança, tive a iniciativa de pedir a criança para ficar comigo assim ela ficaria mais a vontade durante todo o dia e criança estaria bem cuidada nas minhas mãos, mas infelizmente a proposta não foi aceite.

• Surpreendentemente por volta das 19:00, o irmão mais velho da minha filha de apenas 11 anos de idade, veio na minha casa a chorar que a mãe tinha lhes abandonado durante todo dia e estavam em casa apenas entre crianças, reconhecendo que a mãe voltaria ao longo da noite, pediu-me para que eu fosse levar a irmã e ficar na minha casa pelo menos até voltar a mãe. Na qualidade de Pai fiquei profundamente entristecido, fui a casa da minha divorciada, realmente encontrei criança apenas de um ano sozinha, sua baba de 13 anos a brincar fora do controlo da criança, fiz três chamadas para minha divorciada não atendeu, não tive mais escolha enviei lhe uma mensagem para lhe avisar que eu tinha levado a criança.

• Pelo caminho, o mais velho viu a mãe sentada junto dum homem numa pensão, de repente ele grita para mim, Pai está ali mama a namorar, eu queria fingir que não lhe vi mas a insistência do rapaz obrigou-me a lhe ver e encorajei e acarinhei o miúdo a se manter calado, pisei no acelerador e fomos, chegado em casa, dei banho na minha filha, jantou, brincou e adormecemos.

• Por volta de 1:14 minutos o guarda me acorda dizendo que alguém estava fora, para meu espanto quando saio encontro a Minha divorciada com a polícia armada, quando um dos policiais disse que tinham vindo porque a mãe da minha filha tinha se queixado de que o Pai da filha tinha raptado a filha de apenas um ano e solicitou a polícia para lhe ajudar na operação de resgate da criança.

• Eu disse para a polícia que na verdade as crianças estavam comigo e apontei as razões e depois de contar todo historial perguntei se realmente era sequestro, a polícia pediu-me desculpas e eu disse que não precisava a polícia, uma vez comunicada a mãe que as crianças estavam comigo, o que esperava era de ela me comunicar que o seu 7 de Abril tinha terminado e eu devolveria as crianças, mesmo se fosse aquela 1:00 do dia 8 de Abril. Em fim para evitar discutir com ela, entreguei as crianças.

• Neste momento estou preocupado o que fazer uma vez que esta não é a primeira vez que a minha filha tem ficado a sorte de Deus perante sucessivas ausências da mãe da minha filha e ela quando sai não dá conta que em casa deixou menor, sem sucesso tentei dialogar com ela para que a criança não pagasse a factura do nosso comportamento leviano e irresponsável, até já fiz proposta de levar a criança para uma creche eu iria custear as mensalidades como forma de lhe facilitar, uma vez que levaria a criança no período pós laboral, igualmente não aceitou a minha proposta.

• O que devo fazer para que minha filha cresça sem complicações mentais resultante de traumatismo? Cada vez mais que a criança me vê geme e grita de saudades, embora ainda criança, ela me transmite uma mensagem de afecto, amor e muito carinho.

• Espero que tenham percebido o meu sentimento e desde já quero agradecer as vossas respeitadas opiniões.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Homens! Quem somos nós para destruirmos os sonhos das mulheres?


Já notamos que investimos muito na conquista, prometemos fazê-las felizes, mostramos o que não somos de verdade, enfim, nós prometemos mundos e mundos, elas caiem na nossa fita e quando as temos, esquecemos o que prometemos.

Vejam só:
Ao cometermos violência contra elas, seja de qual for o tipo, ao sairmos de casa sem hora/dia para voltar e nem satisfação queremos dar, ao não abrirmos espaço para dialogarmos de forma aberta e franca sobre as nossas diferenças, ao assumirmos que as nossas opiniões no nosso relacionamento são uma ordem, a ela apenas cabe cumpri-las. Amigos, só com estas poucas práticas, fica claro o que estou levantando em relação ao cumprimento das promessas com as mulheres;

A lista de exemplos de práticas que experimentamos com elas pode aumentar. Mas o mais importante é:
  
Já paramos para pensar que nós prometemos muitas coisas às mulheres e fizemos pouco?

Já paramos para pensar que, quando elas aceitam relacionar-se connosco, é porque o que prometemos está alinhado com os sonhos delas?

Já paramos para pensar sobre o quão destruímos esses sonhos?

E se todos nós homens, cumpríssemos com as promessas, que seria da nossa sociedade?

Vamos conquistar com responsabilidade!

Crie alicerces sustentáveis no teu relacionamento.

Saudações

Gilberto Macuácua

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Paradigmas não acompanhadas!

Hoje Sou Eu!!

Hoje, decidi trazer a minha própria experiência e que de alguma forma, precisa de uma reflexão na nossa sociedade, onde estamos carrecas de saber que o patriarcado é dominante.

Muitos de vocês, conhecem-me por Gilberto Nelson Macuácua. Mas aproveito desde já, apresentar-me com o meu novo nome oficial: Gilberto Nelson Macuácua Harilal desde Dezembro, adoptei o apelido da minha esposa Belkiss Harilal, quando contraimos o matrimónio.

Esta não é uma prática comum em Moçambique mesmo se a nossa legislação a prevé.
Começando pelo Palácio da Família. A Conservadora, na sua leitura, disse que a noiva adoptava o apelido do novo. Certo! Porque a minha esposa adoptou o meu apelido Macuácua. A seguir, deveria dizer que o noivo adopta o apelido da noiva mas preferiu pular essa parte. No fim pedimos para que ela visse novamente essa parte e reconheceu a falha. Consumado o casamento, fomos a DIC - Direcção de Identificação Civil para trocarmos os nossos BI's -Bilhetes de Identificação. Lá o funcionário simpático que nos atendeu, apesar de reunidos todos documentos que me davam direito ao acréscimo do apelido da minha esposa, ele não o fez. Lol... lá o rectifiquei e também reconheceu a falha. E ainda disse que nunca na vida dele acrescentou um apelido da mulher no do homem, o mais comum é ao contrário. Certo!
 

Dando uma olhada nos formulários da conservatória, percebi que estes também estão a uns passos atrás da legislação por estes terem somente a parte onde a diz que a nubente adopta o apelido do nubente e não o contrário, embora as funcionárias acrescentam esses dizeres a mão.
 

Socialmente, tem estado a levantar um debate, sobretudo no meu meio social restrito onde opiniões sobre a adopção do apelido da mulher por parte do homem divergem, uns achando estranho e dizendo que jamais fariam isso, outros elogiando e até dizendo inovador isso dentre muitas coisas faladas. Eu decidi alargar o debate para o nosso grupo Homem que é Homem. Está aberta a sessão.

Por: Gilberto Macuacua Harilal

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Palestra Sobre Masculinidades e Violência na Apolitécnica - Nacala

"A Academia deve começar a pesquisar sobre Masculinidades"
 "Os estudantes devem começar a abordar as Masculinidades em suas Monografias".

"A Violência,  não é apenas o problema da Vítima e do perpetrador mas sim,  de todas e todos nós"

 " As masculinidades são parte de um processo de construção Social,  nós podemos desconstruir e construir outras mas equitativas,  mais benéficas para homens,  mulheres e crianças"
 
Por: Gilberto Macuácua
Nacala - Nampula

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Dia 23/08/16-Homem espanca mulher ate a morte.  Causas:Ciumes.
24/08/16-Mulher espaca o marido ate a morte.  Causas.  Falta de caril.
Os dois casos deram-se na Cidade de Chimoio
Chega!!!
Se a nossa indignação com relação a violência em Moçambique nao é suficiente para eliminarmos este mal.  Que mais precisamos fazer?
Nos dois casos,  uma conversa aberta,  evitaria a violência e evitaria a fatalidade.
Stop Violência!
Por: Gilberto Macuácua
Imagens: STV Jornal da Noite de 23 e 24 de Agosto de 2016

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Casamentos prematuros - Vida incerta da Rita

Artigo de: Gilberto Macuácua publicado na: http://www.genderlinks.org.za/article/mozambique-casamentos-prematuros---vida-incerta-da-rita-2015-07-14

Tenho estado, desde Janeiro de 2015, a estudar o fenómeno dos casamentos prematuros no distrito de Jangamo, sul da província de Inhambane. Para tanto, tenho estado a conversar com as meninas e meninos vivendo num casamento prematuro; famílias emissoras (de onde vem as menores) e as famílias receptoras (que as recebem).

Rita C., 14 anos de idade, residente no localidade de Ligogo, posto administrativo de Jangamo, é uma das raparigas que está num casamento prematuro. No mês de Fevereiro, em conversa com ela, disse-me que estava "casada" há sensivelmente seis meses, resultado de uma gravidez indesejada contraída há oito meses. Quando os pais descobriram que estava grávida, obrigaram-na a ir viver com o rapaz responsável pela gravidez. A Rita frequentava a sexta classe e teve que interromper os estudos.

O fenómeno de casamentos prematuros é comum neste distrito que tem uma superfície de 1.294Km², uma população de 93.681 e uma densidade populacional de 72,4 habitantes/km², de acordo com os resultados preliminares do Censo de 2007. Os últimos dados divulgados pela UNICEF indicam que Moçambique tem uma média nacional de 52% de raparigas que se casam antes dos 18 anos e 17% antes dos 15 anos de idade. Em relação a África Austral, Moçambique situa-se em segundo lugar, atrás de Malawi apenas.

Várias razões são apontadas como causas dos casamentos prematuros, desde a pobreza, cultura e outras. E não ajuda o facto de que apenas existem poucas pesquisas que nos possam ajudar a perceber melhor o fenómeno.

A própria terminologia casamento prematuro não tem reunido consenso entre os actores nesta área, sobretudo da sociedade civil onde uns preferem chamar de uniões forçadas partindo do princípio de que as menores nesta condição são muitas vezes forçadas pelo pais ou porque estão grávidas e isso ajuda a colmatar um défice económico na família, ou ainda porque está a pagar uma dívida dos pais a um adulto, sobretudo médicos tradicionais, entre outros motivos. E outros preferem manter a denominação casamentos prematuros pelo facto de acontecerem antes do delas antigirem a idade núbil, ou seja, prematuramente.

A Rita foi vítima deste mal por ter ficado grávida; a família receptora acolheu-na como uma nora. Todos os dias, depois de acordar, vai a machamba, regressa e toma conta dos afazeres domésticos. Vendo ela em actividades fica-se com a impressão de que parece ser a empregada doméstica da família ou melhor, é usada como mão-de-obra barata. A Rita está sendo explorada sem que ela se aperceba.

Perguntei-a sobre o rapaz que a engravidou. Ela respondeu: "Ele foi para África do Sul em Dezembro, talvez regresse em Junho, não sei..." . Visivelmente inocente, com um olhar mais para baixo, roendo as unhas dos dedos das mãos, nós conversávamos sentados numa esteira. Do lado, a sogra acenava a cabeça toda orgulhosa, como se estivesse a dizer "esta é a nora que sempre quis ter", cumprindo devidamente com o papel dela sobretudo em relação aos trabalhos domésticos. O rapaz que se encontra na terra do Rand, apenas telefonou duas vezes em Dezembro quando acabava de chegar, e também em Janeiro.

Estamos no mês de Junho, estou de volta a Ligogo, A Rita já é mãe de uma bebé de três meses. Voltei a conversar com ela, procurei saber como se sentia na condição de mãe e se o "marido" teria já regressado da África do Sul. Ela respondeu que não era fácil e que está a ter inúmeras dificuldades e ainda necessidades não satisfeitas. Não está feliz; o rapaz nunca deu sinal de vida depois de tê-lo dado no mês de Janeiro e já não sabe quando regressa.

O futuro da Rita é neste momento incerto e segundo ela, se tivesse sabido continuaria a namorar mas sem se deixar engravidar, sente-se enganada, frustrada e não pode contar mais com o apoio dos pais.

A história da Rita repete-se um pouco por todo país e particularmente no distrito de Jangamo onde o sector de educação a nível local, reportou 28 casos de casamentos prematuros no ano de 2014, com menores abaixo dos 15 anos de idade. Parte da sociedade olha de forma normal, justificando-se pela cultura que, segundo muitos, deve ser preservada, num claro e grave atropelo aos direitos da criança.

Com esta situação, o futuro da Rita fica minado, bem como de todas crianças, tanto as que estão em casamentos prematuros como as que nascem delas. Com este quadro, torna-se necessária uma intervenção profunda e urgente de todos actores da sociedade de forma integrada, incluindo o governo com políticas e estratégias que respondam as especificidades das motivações que causam o problema de casamentos prematuros.

O modelo de intervenção deve também comportar medidas educativas e punitivas que incidam sobre o Indivíduo, familia, comunidade, instituições sociais (Mídia, Religião e outras). A academia não deve ser ignorada neste modelo pois tem um papel preponderante, sobretudo no que tange as pesquisas que a partir dos seus resultados podem-se encontrar caminhos para a eliminação deste mal.

Por outro lado, existe um personagem que é extremamente importante a ser considerado quando se aborda esta matéria - o homem. Os homens aparecem em dois prismas: primeiro como os que casam as meninas e segundo, como os que forçam as meninas (suas filhas) a se casarem com outros homens prematuramente.
Embora existam homens em Jangamo que têm consciência de que elas não podem ser submetidas aos casamentos prematuros, existem outros que acham normal casar uma menor de idade, que na opinião deles a partir do momento que ela tem a primeira menstruação já está pronta para assumir uma relação conjugal ou um lar.

Esta questão remete-nos a considerar que existem homens que não tem noção dos custos elevados que advém dos casamentos prematuros, tendo em conta que com as limitações e vulnerabilidades a que estas meninas estão hoje sujeitas no dominio social, economico, saúde, entre outros. No futuro o problema sairá da esfera individual para colectiva onde far-se-á sentir nas famílias, comunidades e por toda a sociedade. Fica claro que se deve trabalhar com os homens não só como parte do problema mas também como parte da solução.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Gilberto Macuacua e o programa Homem Que E Homem citados no relatorio anual global 2014/15 da UN Women

Gilberto Macuacua e o programa Homem Que E Homem citados no relatorio anual global 2014/15 da UN Women, pagina 22.
veja mais no link abaixo: http://annualreport.unwomen.org/en/2015 

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Rites of Initiation The Dark Side - Documentary by Gilberto Macuacua - Homem que e Homem

By Gilberto Macuacua -
Rites of Initiation  are a very important cultural component in the process towards the definition of the identity of some communities in Mozambique. It is during this process that values are transmitted defining how boys and girls will behave in future, not only from a social perspective, but also in terms of their sexuality. However, this process embodies dangerous elements to the lives of women and they violate their human rights. This also happens to the boys. Therefore, the documentary “Initial Rites – The Dark Side” that we have produced, clearly portraits the drama in which women live in relation to sexual collective and systematic violations that they suffer in the name of culture during the male initial rites in the north of Mozambique and the enormous injustice practices they suffer from their partners, the community, justice institutions, among others in order to call the attention of the whole society in general as well as from the relevant entities to end this evil.
In this documentary has triggered strong emotions from viewers, especially when the victims talk first-hand about their experiences and the pain they suffer until today.
 Apart from the victims, the documentary brings remarks from the community leadership, the local government, initial rites’ masters, young people who went through initial rites, religious leaders, members of the civil society, health personnel, police officers and court staff members who are in possession of cases of violation and they all talk first hand.
https://www.youtube.com/playlist?list=PL8FBEqOIT9aLtejU3XghGfqMmbjR8m9nm

sexta-feira, 27 de março de 2015

FORUM SOCIAL MUNDIAL

Eu entrevistando o Olivio Dutro aqui na Tunisia para o Programa Homem que Homem. Ele foi Prefeito de Porto Alegre, Governador de Estado de Rio Grande do Sul, Deputado Federal e Ministro das Cidades do Brasil com a cortesia da productora Alemã Timeless Photography

sexta-feira, 20 de março de 2015

HQH REFLEXÃO: Roupas Curtas e Sensuais de Mulheres

É uma abordagem perigosa essa de que as roupas curtas e sensuais das mulheres sao o motivo para as violaçoes sexuais. Assim estão a dizer coitado do homem que a violou ele não tem culpa, a culpa é dela que vestiu-se daquele jeito. Amigos! Se es ladrão, es ladrao. Independentemente da casa estar aberta ou fechada, vais roubar.

Gilberto Macuacua

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Campanha HeForShe em Quenia

Eu discursando no lancamento da campanha HeForShe a nivel das regiões da Africa Oriental e Austral.




O evento de GALA, aconteceu no dia 10 de Fevereiro num dos hoteis na cidade de Nairobi em Quénia testemunhado por mais de 200 pessoas provenientes de diferentes paises africanos. Eu, sou um dos assinantes (Champion) desta campanha em África. HeForShe é um movimento de solidariedade para a igualdade de género iniciado pela ONU Mulheres. Destina-se a envolver homens e rapazes como agentes de mudança para o alcance da igualdade de gênero e direitos das mulheres, incentivando-os a tomar medidas contra as desigualdades enfrentadas pelas mulheres e rapariga.
Esta campanha será em breve lançada em Moçambique. Convido a todos homens e rapazes para aderir a este movimento. Gilberto Macuacua.

Gilberto Macuácua painelista na Timeless Women's Conference 2015 em Nairobi -Quénia com o tema: Steering Media Conversation For Women Empowerment

Amig@s!
Fui painelista na Timeless Women's Conference 2015 em Nairobi -Quénia com o tema: Steering Media Conversation For Women Empowerment. Este painel foi televisionada pela NTV, uma das maiores e influente estaçao Queniana de Televisao.
As minhas colegas do painel sao jornalistas, Apresentadoras de TV, Editoras de Revistas e jornais famosas em diferentes regioes da África tais como a Julie Gichuru, Key Steve, Dorcas Odumbe e Kobi Kihara (Moderadora).


 A minha participaca tem que ver com o reconhecimento a nível internacional do nosso trabalho como Programa Homem que é Homem.
Gilberto Macuácua

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Marcha de Homens Contra Violencia 2014

Amig@s
Âmbito das comemorações dos 16 dias de Activismo, 

A Rede Homem Pela Mudanca – HOPEM, realiza uma MARCHA Contra Violência. Marcada para Sábado, 6 de Dezembro de 2014.
 
Concentração: 8 horas na Praça da Independência Com Ginástica orientada pelo Professor Mouzinho da Academia de Dança Tropical A Marcha vai obedecer o seguinte tragecto: Praça da independencia – Avenida Karl Max– Av. Eduardo Mondlane Av. Guerra Popular – Av Acordos de Lusaka - até a praça da Paz na Cidade de Maputo.   Chegados à Praça da Paz, logo após os discursos, teremos um evento cultural com vários artistas incluindo o Bob Lee e Anita Macuácua.

TRAGA A SUA MARCA, SEUS MATERIAIS, UNIFORME, ETC... E 
Vamos tod@s dizer Nao as Violações sexuais, Estupros, agressões físicas, psicológicas e a todo tipo de violência.    

Saudações e até la.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Southern Africa: Gender awards highlights - the documentary “Initial Rites – The Dark Side” winning produced by Gilberto Macuacua

Initial rites are a very
important cultural component in the process towards the definition of
the identity of some communities in Mozambique. It is during this
process that values are transmitted defining how boys and girls will
behave in future, not only from a social perspective, but also in terms
of their sexuality.

However, this process embodies dangerous elements to the lives of women
and they violate their human rights. This also happens to the boys.
Therefore, the documentary “Initial Rites – The Dark Side” that we have
produced, clearly portraits the drama in which women live in relation to
sexual collective and systematic violations that they suffer in the
name of culture during the male initial rites in the north of Mozambique
and
the enormous injustice practices they suffer from their partners, the
community, justice institutions, among others in order to call the
attention of the whole society in general as well as from the relevant
entities to end this evil.
In this documentary has triggered strong emotions from viewers,
especially when the victims talk first hand about their experiences and
the pain they suffer until today.

Apart from the victims, the documentary brings remarks from the
community leadership, the local government, initial rites’ masters,
young people who went through initial rites, religious leaders, members
of the civil society, health personnel, police officers and court staff
members who are in possession of cases of violation and they all talk
first hand.


Southern Africa: Gender awards highlights







Momentos das premiacoes em Johannesburg

"RITOS DE INICIACAO - O LADO ESCURO" vence mais um premio

Numa cerimonia promovida pela GenderLinks e marcada pela presenca de varias personalidades da Africa Austral incluindo renomados editores, produtores, reporteres e apresentadores de televisao, O Documentario "RITOS DE INICIACAO - O LADO ESCURO" venceu na passada Quarta-Feira a noite o premio de Melhor trabalho de conteudo de Media na categoria de Televisao a nivel da Africa Austral. Gilberto Macuacua editor e apresentador do programa Homem que e Homem da Televisao de Mocambique, que produziu este documentario  recebeu o premio em JHB das maos da senhora Mireille Martin - .

terça-feira, 20 de maio de 2014

"Masculinidades Assasinas" no Sudao - Isto e uma Vergonha!



Sudão permite a mulher condenada dar à luz antes de ser enforcada

O tribunal sudanês que condenou à morte uma jovem de 27 anos, grávida, por se recusar a renunciar ao Cristianismo, anunciou que vai permitir o nascimento do bebé antes da execução da sentença

Meriam Yehya Ibrahim, 27 anos, está grávida de 8 meses e encontra-se detida, com o filho de 20 meses, por se recusar renunciar à sua fé cristã e voltar para o Islão, o que lhe valeu a condenação à morte por enforcamento. Por ter casado um homem cristão, enfrenta também uma sentença por adultério de 100 chicotadas. Esse tribunal deveria ter vergonha na cara, sao pessoas sem coracao ou talvez robôs colocados em tribunal para jugar seres humanos, nao pessoas. Estamos em pleno seculo XXI, e inadimissivel que actos desta natureza aconteçam no mundo.

Perante o coro internacional de protestos, o tribunal islâmico esclarece que vai permitir à jovem ter o filho antes de executar a sentença.

Ela é filha de um muçulmano, a jovem foi condenada ao abrigo da Sharia, a lei islâmica que vigora no Sudão desde 1983 e que prevê a pena de morte para quem se converter a outras religiões.

O marido de Mariam Yahya Ibrahim é um cristão natural do Sudão do Sul, que conquistou a independência em 2011, depois de décadas de guerra civil.

Algo mais deve ser feito para alem dos apelos para eles desistirem desta ideia macabra que condena somente as mulheres. A culpa das mulheres nesses paises é facto de terem nascido mulheres? Inaceitavel.

Gilberto Macuacua