sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Mulheres que sofreram violência e abuso têm mais chances de desenvolver problemas mentais



Segundo um novo estudo, as mulheres são drasticamente mais propensas a desenvolver distúrbios mentais em algum momento de suas vidas se tiverem sido vítimas de estupro, agressão sexual, perseguição, ou violência doméstica.

A conexão entre experiências angustiantes e saúde mental não é tão surpreendente, mas as descobertas destacam o quão fortemente os dois problemas estão interligados.
Ou seja, é importante que médicos e outros profissionais de saúde perguntem às mulheres sobre episódios passados de violência, mesmo que estes aconteceram anos atrás. Segundo os cientistas, quando os profissionais tratarem mulheres com depressão ou problemas de saúde mental, é melhor se ligar no fato de que a violência pode estar por trás disso.

Os pesquisadores analisaram dados de saúde de uma amostra nacionalmente representativa de mulheres australianas entre as idades de 16 e 85 anos. Episódios de agressão sexual, assédio, e outros tipos de “violência de gênero” eram muito comuns, com 27% do grupo relatando pelo menos um episódio de abuso.
57% das mulheres com um histórico de abuso também tinham um histórico de depressão, transtorno bipolar, estresse pós-traumático, abuso de substâncias, ou ansiedade (incluindo transtorno do pânico e transtorno obsessivo-compulsivo), contra 28% das mulheres que não tinham experimentado violência de gênero.

Entre as mulheres que haviam sido expostas a pelo menos três diferentes tipos de violência, a taxa de transtornos mentais ou abuso de substâncias subiu para 89%. Segundo os pesquisadores, a extensão e a força dessa associação é muito preocupante.

Os cientistas não podem dizer com certeza se os problemas de saúde mental foram provocados pela violência, ou se as mulheres com problemas de saúde mental pré-existentes eram mais propensas a sofrer violência.

No entanto, eles controlaram a pesquisa para uma série de potenciais fatores de mitigação, incluindo status socioeconômico e histórico familiar de problemas psiquiátricos. Há amplas evidências de que os eventos traumáticos – especialmente interpessoais, como abuso doméstico – podem desencadear problemas mentais.

Além disso, episódios de violência de gênero geralmente ocorrem muito cedo na vida, enquanto transtornos mentais muitas vezes não aparecem até anos mais tarde.

As descobertas indicam que a violência contra as mulheres é uma preocupação de saúde pública, e ressalta o impacto sobre a sociedade, que deve fazer mais do que apenas tratar as consequências imediatas, como atendimento a uma lesão violenta.

Os pesquisadores sugerem que especialistas em saúde mental e prestadores de serviços de saúde devam desenvolver uma abordagem unificada para detectar e tratar problemas de saúde mental mais efetivamente em mulheres que sofreram violência.

Os EUA já tomaram um passo promissor nesta direção. Na segunda-feira, o Departamento de Saúde e
Serviços Humanos do país divulgou novas diretrizes para os cuidados preventivos de mulheres que, entre outras coisas, exigem planos de saúde sem custo para se tratar de violência doméstica, com início em agosto de 2012.[CNN]