sexta-feira, 22 de março de 2013

ONU pede mais empenho dos governos para acabar com violência contra mulheres


Por: Gilberto Macuácua ( a partir de Nova York, aos, 7 de Março de 2013)

Teve início nesta semana, na sede da ONU em Nova York, a 57ª Sessão da Comissão sobre o Status da Mulher (CSW) com o lema "Eliminação e Prevenção de todas as Formas de Violência contra Mulheres e Crianças",


Na cerimônia de abertura, presidida pela Embaixadora da Libéria na ONU, Marjon Kamara, destaca-se a interveção da directora da agência das ONU Mulheres, Michelle Blachelet,  que pediu aos líderes mundiais que cumpram os seus compromissos e apresentem planos concretos para acabar com a violência contra a mulher no mundo. "Durante as últimas décadas fizemos progressos na articulação de normas e padrões internacionais, leis e políticas", afirmou.

"Mas a violência contra mulheres e raparigas continua presente e a impunidade continua sendo uma norma e não uma excepção", disse.

O tema do encontro deste ano é a violência. Segundo as estimativas da ONU, sete em cada dez mulheres no mundo são afectadas pela violência. Em Moçambique, segundo os dados divulgados, pelo Ministério do Interior, cerca de 19 Mil casos de violência foram registados de Janeiro a Setembro de ano passado, dos quais mais de 12 Mil foram contra a mulher e cerca de 4 Mil contra crianças.

Os eventos recentes como o atentado Talebã contra a menina paquistanesa de 15 anos, Malala Yousafzai, que quase morreu num ataque por incentivar o estudo para as meninas, os estupros colectivos ocorridos na Índia e na África do Sul e a questão de envolvimento de homens e rapazes no combate a violência contra mulhere e rapariga, tem dominado os discursos desta primeira semana nas sessões oficiais, parelas  e nos corredores do CSW.

Moçambique está a participar neste evento, quer ao nível do debate geral, chefiado por António Gumende, Representante Permanente de Moçambique na ONU, bem como ao nível dos eventos paralelos, onde participa sobretudo os representantes da Sociedade Civíl.

Neste encontro, tem sido concessual que a violência contra a mulher é um problema global e que requer esforços conjuntos para a sua eliminação, havendo necessidade de definição de indicadores claros das suas causas bem como das formas de actuação policial, a expansão dos serviços de atendimento integrado para dar resposta aos impactos multidimensionais da violência, a necessidade de maior envolvimento de homens e rapazes e a criação de mecanismos apropriados para assegurar a implementação dos compromissos a nivel nacional, incluindo a disponibilização e recursos adequados.

Gilberto Macuácua